A SEGUNDA MACHU PICCHU – CHACHAPOYAS

INTRODUÇÃO

Não é novidade pra ninguém que a América do Sul tem destinos maravilhosos. Também não é novidade que o turista brasileiro adora visitar o Peru, e principalmente a dobradinha Cuzco e Machu Picchu. Entretanto,  foi uma grande novidade pra mim descobrir que o Peru tem uma “segunda Machu Picchu”, como é carinhosamente apelidada a região de Chachapoyas.

Mais surpreendente ainda foi descobrir que a região conta com uma enorme fortaleza, chamada Kuelap, maior e (muito) mais antiga que Machu Picchu. Essa foi apenas uma das agradáveis surpresas que me trouxe essa viagem à região de Chachapoyas.

Cerca de um mês atrás estive na região à convite da Agência de Turismo VIPAC (Viajes Pacífico) e SMarketing. conhecer a região junto à equipe do Le Blog. Foi uma semana de aventuras e descobertas que tive por lá, e quero compartilhar com você nesse post. Bora viajar comigo?

A caminho da terceira maior cachoeira do mundo na região de Chachapoyas
A caminho da terceira maior cachoeira do mundo na região de Chachapoyas

COMO CHEGAR À CHACHAPOYAS

Para quem parte do Brasil, é uma parada obrigatório passar pela capital Lima.

Sugiro que use a estratégia do Stop Over para permanecer alguns dias na capital Peruana e aproveitar os encantos e a gastronomia da cidade. Recomendo aqui o Restaurante La Mar (que tem unidade em São Paulo).

Se você não sabe o que é Stop Over, sugiro este artigo aqui 

Depois de passar um tempo em Lima, deve se pegar um outro avião, que em cerca de 1 hora pousa na cidade de Jaén.

De lá, um transfer segue por cerca de 4 horas até a região de Chachapoyas. Parece cansativo? Sinceramente, com a paisagem fantástica do caminho faz com que o meio do caminho seja tão atrativo quanto a chegada.

Mausoléu de Revash
Caminhando em direção ao mausoléu de Revash

QUANDO IR

Na capital Lima, não chove há cerca de 40 anos. Sim, você leu certo. Tanto é que as ruas da cidade sequer tem boca de lobo para escoamento de chuvas. Na região de Chachapoyas porém, a época indicada para se visitar é de abril a novembro, quando o tempo é mais seco.

Entretanto, o clima na região é sempre uma surpresa. Por isso, tenha sempre um casaco e uma capa de chuva sempre a mão para evitar surpresas.

HOSPEDAGEM

Eu e Jorge, gerente da Casa Hacienda Achamaqui
Eu e Jorge, gerente da Casa Hacienda Achamaqui

Ficamos hospedados no Hotel Casa Hacienda Achamaqui. Como o próprio nome diz, a hospedagem tem toda a decoração e estrutura de uma fazenda. Ambiente acolhedor e confortável, e com três grandes pontos de destaque:

O primeiro é a gastronomia: Todos os pratos que comi por lá foram maravilhosos, preparados e servidos com todo o carinho.

Sobremesa deliciosa
Sobremesa deliciosa

O segundo ponto é a cordialidade dos funcionários. Sim, um bom hotel costuma ter funcionários simpáticos e bem treinados. Entretanto, quando o gerente do hotel sai da sua sala pra ir te mostrar o beija flor que acabou de pousar numa árvore do hotel você percebe que está lidando com pessoas diferenciadas.

Ou então, quando outra funcionária sabe que você está com dor de cabeça e faz uma infusão com ervas locais e bate na porta do seu quarto pra levar pra ti… Sim, isso é um algo a mais, até para o simpático povo peruano.

Fogueira e Marshmallow
Fogueira e Marshmallow

O último dos pontos de destaque é a fogueira que os funcionários fizeram para nos receber. A noite podíamos tomar um bom vinho e comer marshmallows enquanto conhecíamos mais das lendas e história dos Chachapoyas.

Vinho e Fogueira: Bela Combinação
Vinho e Fogueira: Bela Combinação

Ficou com água na boca? Assista então o vídeo que gravei dessa viagem que tenho certeza que vai querer fazer as malas e partir pra Chachapoyas agora mesmo

ATRAÇÕES DE CHACHAPOYAS

KUELAP

Lhama passeando
Lhama passeando por Kuelap

Um teleférico enorme (com uma vista indescritível) nos leva até a entrada de Kuelap, símbolo maior de arquiterura da civilização dos Chachapoyas. De lá, pode-se seguir a pé ou a cabalo até a entrada da construção.

A cidade é cercada por uma fortaleza, que conseguiu preservar muito do lugar. Passeando por lá dá pra entender como vivia o chamado Povo da Neblina.

São cerca de 1500 anos de história em um só lugar, e que me deixou impressionado com a habilidade de construir e preservar as origens dos Chachapoyas.

Kuelap está coberta de de muralhas e precipícios por 3 dos seus 4 lados, e no interior pode-se conhecer as casinhas redondas onde viviam os moradores de lá.

Fortaleza de Kuelap
Fortaleza de Kuelap com o nosso guia Carlos Chavez

Uma aula de história escrita em pedras, e com uma paisagem de tirar o fôlego (literalmente, pois está localizada a mais de 3.000 metros de altura.)

CACHOEIRA GOCTA

A terceira maior cachoeira do mundo (e a maior que eu conheci) também se localiza na região de Chachapoyas, mais precisamente no povoado de Cochimba.

Para chegar até lá são cerca de 7 kilômetros que nos leva a apreciar os 771 metros de altura da cachoeira, que se divide em duas quedas.

A caminhada para chegar até lá é a oportunidade perfeita para apreciar a fauna e a flora, bem típica da região.

A terceira maior cachoeira do mundo, Gocta
A terceira maior cachoeira do mundo, Gocta

REVASH

Mais um lugar espetacular, repleto de histórias e curiosidades.

Partindo do povoado de San Bartolo seguimos a cavalo até os Mausoléus de Revash, construções funerárias que ficam no alto de algumas montanhas,

Eu e meu Guia Mirim
Eu e meu Guia Mirim

Aprendi com nosso guia Carlos (um poço de conhecimento) que os Chachapoyas eram enterrados em posição fetal, pois acreditavam que a morte era apenas uma passagem para a próxima vida.

mausoléu
Mausoléu

MUSEO DE LEYMEBAMBA

Museu Leymebamba
Museu Leymebamba

O Museo del Centro Mallqui é onde se pode entender mais da cultura dos Chachapoyas. Existem diversos objetos de cerâmica, instrumentos musicais e peças de tapeçaria que nos faz voltar ao passado e compreender o tamanho e importância dessa civilização.

O povo local é que criou e quem administra o museu, que tem como ponto alto uma coleção de 240 múmias (achou que era só no Egito?) encontrada na Laguna de los Condores.

Falando em povo local, não posso deixar de citar a preocupação da Vipac em ajudar na preservação da cultura local, dando subsídio aos moradores para desenvolverem seus negócios, mantendo sua cultura de raiz. Com esse subsídio, os moradores podem permanecer nas suas cidades de origem, sem terem que migrar para os grandes centros, o que acontece em grande parte do mundo.

Quer conhecer mais da cultura dos Chachapoyas? Confere aqui o vídeo que gravei por lá.

QUEM LEVA:

Quem cuidou de todo o roteiro turístico da minha viagem foi a Viagens Pacífico, mais conhecida como VIPAC.

Carros novos, funcionários atenciosos e MUITO cultos. Nossos guias Carlos e Antônio estão entre os melhores e mais bem informados guias que já conheci ao redor do mundo.

http://vipac.pe/

 

Kuelap desejando sorte em nossa jornada
Kuelap desejando sorte em nossa jornada
No meio do caminho havia uma flor
No meio do caminho havia uma flor

A caminho da terceira maior cachoeira do mundo
A caminho da terceira maior cachoeira do mundo
cachoeira gocta
cachoeira gocta
Casa Hacienda Achamaqui
Casa Hacienda Achamaqui
Curtindo a fogueira
Curtindo a fogueira
Flores na Casa Hacienda Achamaqui
Flores na Casa Hacienda Achamaqui
Aguardando o embarque na Sala Vip da Star Alliance de Guarulhos
Aguardando o embarque na Sala Vip da Star Alliance de Guarulhos
Pisco Sour - Bebida Típica
Pisco Sour – Bebida Típica

“>

Deixe aqui o seu comentário