Ano Sabático: como saber a hora de um time of?

Ler ao som do pastor T.L. Barret – Nobody Knows

Time of

“Ano sabático”, “time of” ou “férias de si mesmo” são todas expressões usadas para nomear aquele momento que necessitamos nos afastar de tudo, e isso inclui nós mesmos. Um momento de encerrar alguns ciclos para permitir que outros surjam.

person-1317600_960_720

 

 

Origem da palavra “Sabático”

A expressão “Sabático” tem a ver com a religião judaica, o termo tem origem na palavra sabá, período entre a sexta-feira e o sábado em que os judeus se dedicam ao descanso religioso, quando não realizam nenhum tipo de atividade física.

Ela foi aplicada em diferentes meios, na agricultura, por exemplo, após seis anos de uso da terra, no sétimo ela deveria descansar para se recuperar do que dela se foi exigido. Para os israelitas, no sétimo ano se perdoava as  dívidas. Nas universidades, os professores universitários interrompem a sua atividade docente para se dedicarem livremente a pesquisas ou somente se reciclarem.

 

Nos dias de hoje…

Atualmente, ela vem sido usada por pessoas que, assim como eu, não podem mais.

display-panel-473625_960_720Não podem mais estar em seus empregos, manter suas rotinas e obrigações. Não se pode mais respirar. Não se pode mais ser feliz. Pessoas que como eu, precisam ir. O perigo é que as vezes os sinais que devemos abandonar tudo são tão sutis, os sentimos mas não entendemos. São detalhes que se não estivermos atentos, passam desapercebidos.

Nesse tempo longe, depois de muito analisar minha vida e conversar com pessoas que passaram ou estão passando pelo mesmo processo, reuni 12 motivos para te fazerem olhar para sua própria vida e, se não te fizerem pegar uma mochila na mesma hora, espero que provoque algum tipo de mudanças.

 

12 razões: pegue uma mochila se…

1- Se você terminou uma relação, entende que não há mais chance de voltar mas ainda se sente ligada emocionalmente. Isso vale para para términos amoboy-1666611__180rosos, mortes ou qualquer relação que você tenha que ir (ou deixar ir).

2- Aquisições materiais, se sua felicidade está relacionados a comprar.

3- Se nas poucas vezes que se reune com os amigos é para evocar as aventuras do passado, o aventureiro que foi um dia (porque agora as histórias estão cada vez mais raras).

4- Se passar a noite fora é um problema: estranha a cama, não tem escova de dente, óculos de sol e nem uma nova roupa. Pegue uma mochila se alguma vez for melhor deixar a reunião com os amigos pela metade do que arriscar.

5-A obra terminou e você não reparou. Sabe aquele edifício que esta em construção, um que fica entre a casa e o trabalho? Ele não está mais e você nem se deu conta.

woman-1245817_960_7206- Se faz tempo que você não faz algo para sua emancipação  criativa/pessoal, coisas como um novo instrumento, escultura, etc. (Cursos para evolução profissional não vale)

7- Se a padaria, a farmácia  ou o supermercado são os lugares que você encontra seus amigos, e não mais naquele bar de fim de noite.

8- Pegue rápido uma mochila se a sua cara de cansado não é de quem ficou numa mesa de bar falando sobre a vida com os amigos, é de quem trabalhou até tarde (quem diria que teria saudade das manhãs de ressacas).

8-Se a rotina abafa sua criatividade, a sua produção está relacionada a executar e não criar.

9- Caso a reputação é sua maior preocupação. Eu te empresto a minha mochila and Let’s go porque, afinal, o que os outros vão pensar?

10- Se já se flagrou pensando algo e sentiu vergonha de si mesmo.

11-Se em um momento de distração, se flagrou roendo unha ou contorcendo mãos ou pés.

12-Se faz tempo que você não esvazia sua cabeça, senta diante de algum milagre da natureza e somente contempla o presente da vida, alheio a qualquer preocupação.

img_0423

 

Te vejo na estrada?

Bem se você leu o texto até aqui, isso só pode significar que há desejos e vontades inquietas aí dentrinho de você. Se permita pensar, conhecer versões de você mesmo desconhecidas até hoje. Mas se em todo caso não der pra você largar tudo e correr o mundo, programe suas férias, se reinvente nos desejos porque, conselho de uma mochileira, um dia correr os perigos será a melhor parte.

Partiu?

 

 

 

 

 

Deixe aqui o seu comentário