Imposto internacional de viagem: como afeta a vida do viajante?

Uma notícia não muito agradável para os viajantes começou a circular no início do ano. Desde 1º de janeiro está sendo cobrada uma alíquota de 25% do IR sobre remessas ao exterior.

Isso assustou porque os viajantes começaram a pensar que as viagens internacionais ficariam ainda mais caras. Mas o que realmente vai mudar? E como vai afetar a vida de quem viaja? Vamos te explicar nesse texto.

A taxa

O tributo de 25% de Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) é aplicado em valores enviados ao exterior em casos de compras de serviços turísticos.

:: Sites e apps que ajudam a economizar e planejar sua viagem

Ou seja, sempre que alguém precisar enviar dinheiro para fora do país para cobrir gastos com transporte, hospedagem, pacotes de viagem ou cruzeiros marítimos, o imposto será aplicado. Isso quer dizer que quando o produto for pago via remessa bancária internacional é necessário pagar os 25% de imposto.

viajante

Então, pacotes de viagens, especialmente, podem ficar mais caros. E o motivo é que as agências vão precisar fazer o pagamento via remessa internacional para os serviços como reservar hotéis, meios de transportes e passeios para viajantes.

Tudo indica que as agências colocarão esse valor no preço dos pacotes para que o valor total já seja o suficiente também para pagar a taxa.

Como evitar a taxa?

Para não ter esse acréscimo, a melhor escolha é pagar em dinheiro no check-out sempre que for possível. Assim você pagará somente os 0,38% cobrados na compra de moeda estrangeira.

:: Inspirada no universo do viajante, uma seleção de tatuagens

Outra opção seria fazer as reservas direto com o fornecedor ou em empresas internacionais, como o Booking, usando o cartão de crédito. Nesse caso a transação no cartão teria acréscimo de 6,38% e, portanto, ainda seria mais vantajosa.

A boa notícia é que várias coisas ainda continuam isentas do imposto. Compras feitas em dinheiro ou cartão de crédito tem suas tarifas, mas bem menores do que os 25%. E o que for feito como fim educacional como intercâmbio, por exemplo, despesas médicas e remessas para manutenção de dependentes no interior também tem isenção da taxa.

imposto (pixabay)

Essa decisão é definitiva?

Há ainda a chance dessa medida ser revista. Ela já existia, mas o governo não fazia a cobrança para incentivar o turismo. A tendência é que o valor seja igual ao do cartão de crédito, que é de 6,38%, o que já seria um alívio para o bolso de quem vai viajar para o exterior. Mas, por enquanto nada afirmativo.

Se você está pensando em viajar para o exterior, tente seguir as dicas, como pagar no dinheiro ou cartão e reservar direto com uma empresa internacional, já que nesse caso o imposto será no máximo o valor cobrado pelo cartão de crédito e assim ficará mais fácil para viajar.

O importante é planejar a viagem com antecedência e de acordo com o seu orçamento disponível.

Deixe aqui o seu comentário